Tecnologia

Megaoperação contra golpes na internet prende grupo em SP e DF e derruba 540 sites

Criminosos já operavam há pelo menos cinco anos com o conhecido golpe do falso site de leilão de carros

As polícias civis do Distrito Federal (PCDF) e de São Paulo (PCSP) deflagraram uma megaoperação em São Paulo nesta quinta-feira (25) para desarticular uma organização criminosa especializada em golpes cibernéticos.

Os policiais cumprem 12 mandados de prisão, 10 de busca e apreensão, bloqueio de 50 contas bancárias dos investigados e a derrubada de 540 domínios de sites falsos. A PCDF indiciou ao todo 61 pessoas na investigação.

As prisões são realizadas em São Paulo, Santo André e São Bernardo do Campo.

O esquema
Segundo a Polícia Civil do DF, o grupo criminoso alvo da operação desta manhã já operava há pelo menos cinco anos com o conhecido golpe do falso site de leilão de carros. Para operacionalizar o esquema, os criminosos selecionavam websites reais de famosas empresas do ramo de leilão de veículos. Então clonavam esses sites, criando outros idênticos.

Contudo, apenas trocavam a extensão do endereço eletrônico. Isto é, os verdadeiros sites possuíam terminação “com.br” e os clonados tinham o exato mesmo nome e aparência, mas com a terminação “.net”. Depois de clonar os sites, os criminosos pagavam empresas de marketing digital para impulsionar os endereços falsos em mecanismos de pesquisa como o Google.

Assim, quando uma pessoa procurava pela empresa real, nos primeiros resultados da lista de pesquisa aparecia o site clonado e não o verdadeiro.

As pessoas induzidas ao erro entravam no site falso e passavam a conversar com os criminosos pensando estar lidando com a empresa real, aponta a investigação.

Nos sites clonados havia telefones de contato e as vítimas interagiam com o grupo pelo WhatsApp sendo levadas a crer que negociavam com a empresa real até fazer os depósitos dos lances.

Até mesmo falsas notas de arrematação eram enviadas para as vítimas que só percebiam o golpe meses depois quando o carro nunca era entregue, oportunidade em que já não conseguiam mais contato, pois os criminosos haviam bloqueado o telefone.

O escritório dos criminosos era uma sala alugada num prédio comercial de Santo André, que foi alvo das buscas de hoje.

Segundo o delegado Erick Sallum, os autores batiam ponto das 8h às 18h nessa sala, trabalhando o dia inteiro dando golpes em vítimas em todo o Brasil como se realmente fossem uma empresa.

“O que essa operação cabalmente demonstra é como a criminalidade moderna funciona, ou seja, às sombras sob o manto da anonimização digital. É essencial, portanto, que se compreenda a importância da atividade de Polícia Judiciária e se incremente o investimento em inteligência e capacitação técnica”, aponta o delegado.

Investigação
Os investigadores conseguiram mapear cerca de 540 websites maliciosos que eram mantidos em estoque pelo mesmo grupo criminoso. Depois de usar um mesmo nome falso em muitos golpes, essa empresa começava a ficar “queimada” em sites de reclamação. Então, ele era retirado do ar e inseriam um novo de outra empresa ainda desconhecida.

Em muitos deles até mesmo o brasão do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios era usado para dar um verniz de credibilidade e para os golpistas dizerem-se autorizados para atuar nessa área.

Apenas na delegacia do Lago Norte de Brasília, responsável pela investigação, foram registradas dez ocorrências com prejuízos somados de R$ 470 mil. Estima-se, todavia, que existam centenas de outras vítimas espalhadas por todo território nacional.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo